quinta-feira, 24 de junho de 2010

Câmara não deve votar propostas de reajustes na semana que vem, diz líder do governo

BRASÍLIA - O líder do governo na Câmara, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), defendeu nesta quinta-feira que não sejam votadas na próxima semana, na Câmara, as propostas de reajuste dos servidores do Senado , com impacto de cerca de R$ 500 milhões ao ano, e ainda do Poder Judiciário, com impacto de R$ 6,4 bilhões. Vaccarezza disse que é favorável ao aumento dos servidores do Senado, mas acredita que poderiam ser feitos "ajustes" no índice de aumento, que é de 25% em média. Mas Vaccarezza é radicalmente contrário à votação do reajuste do Poder Judiciário, pois considera exagerado um aumento médio de 56%. ( Leia mais: Equipe econômica critica salário mínimo maior )

Vaccarezza disse que, na próxima semana, não deve haver votações na Câmara, embora haja a expectativa de que o projeto relativo ao Senado seja colocado em votação. No início da semana, o governo sinalizou que, se aprovado, seria sancionado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva porque há previsão orçamentária. Mas o governo não quer a aprovação do aumento do Judiciário. Essa discussão se transformará numa corrida contra o tempo, porque não podem ser dados aumentos salariais ao funcionalismo três meses antes da eleição.

- Sou favorável de votar e sancionar (o do Senado), mas com ajustes, porque não é razoável nenhum reajuste muito acima da inflação. Agora, no caso do aumento do Judiciário, o governo tem se pautado pela responsabilidade fiscal e não pode votar isso do jeito que chegou aqui. Acho que fica tudo para depois da eleição - disse Vaccarezza.

O líder disse que não deve ser votado nenhum projeto na semana que vem, por falta de quorum, devido às festas juninas. Para ele, as votações serão retomadas nos dias 6 e 7 de julho, com a votação da proposta do pré-sal e ainda a chamada PEC 300, que trata de piso salarial para policiais civis, militares e bombeiros. O governo quer aprovar um texto mais ameno para a PEC 300.

Fonte: O Globo