domingo, 5 de dezembro de 2010

PEC 300: PM's e Bombeiros planejam greve nacional para o dia da posse de Dilma

Alagoanos participam de assembléia

Com o adiamento da votação da PEC 300/2008, que estabelece o piso salarial para policiais militares e bombeiros, entidades representativas das categorias deverão realizar uma assembleia, com o objetivo de decidir se haverá uma paralisação geral no dia 1º de janeiro, quando a presidente eleita, Dilma Rousseff tomará posse, já que nem mesmo a atuação da polícia no combate ao tráfico de drogas no Rio de Janeiro, que foi acompanhada na última semana por todo Brasil, através dos meios de comunicação sensibilizou o governo federal.

A manobra foi feita pelo líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP), junto a demais líderes de partidos, para atender o pedido de governadores, que temem o forte aumento de gastos nos estados.

Quase seis meses depois da votação da PEC em primeiro turno no plenário da Casa, Vaccarezza propôs, na última quarta-feira (1º), a criação de uma comissão especial de segurança pública para debater diversos projetos na área de segurança e incluir entre as matérias as propostas de emenda à Constituição que estabelecem pisos salariais.

O líder do governo anunciou que o governo não votará este ano propostas que possam “causar dificuldade financeira para a União ou para os estados no próximo ano, argumentando que a votação de propostas como a PEC 300 precisa ser mais bem avaliada, pois 2011 tende a ser um ano difícil, com menor crescimento da economia brasileira e graves problemas internacionais.

Para a Associação dos Cabos e Soldados Polícia Militar e Corpo de Bombeiros de Alagoas (ACS/AL) a notícia frustra ainda mais as categorias, que aguardam uma definição sobre a PEC 300. O presidente da ACS/AL, Wagner Simas explicou que de acordo com a Lei complementar, os estados teriam 10 anos para adequarem suas folhas de pagamento, caso a proposta seja aprovada, pois a diferença salarial seria paga pelo Governo Federal.

“Entre os dias 19 e 22 de dezembro ocorrerá uma reunião no Rio de Janeiro para decidir como as categorias irão se mobilizar. O adiamento da votação ocorreu por causa de uma manobra política feita por alguns governadores. Durante o período de dez anos o salário não vai estacionar e é provável que outra PEC tenha que ser criada posteriormente. Os governadores têm medo que o governo federal conceda o aumento e não arque comas despesas, mas isso está previsto na proposta”, destacou.

Simas afirmou que a demora para a votação causa ainda mais insatisfação nos agentes da segurança pública, lamentando o fato de um policial do Rio de Janeiro ganhar menos de dois salários mínimos e mesmo assim, ter que entrar em confronto direto com bandidos. “Um militar ganha menos de R$ 1000 e isso é injusto. Eles enfrentaram bandidos e estiveram passivos de tombar. O que aconteceu no Rio pode fazer com que os traficantes migrem para outros Estados e sem valorização não há como a polícia está preparada para lidar com isso”, ressaltou.

Fonte: Correio do Povo