segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

PEC 300 - policiais deflagram greve geral na PB



AGORA: policiais rejeitam todas as propostas do Governo do Estado e decidem deflagrar greve por tempo indeterminado em toda a Paraíba

Todas as propostas apresentadas pelo governo da Paraíba foram rejeitadas pelas entidades que representam a Segurança Pública do Estado na tarde desta segunda-feira (28). A proposta governamental foi apresentar um reajuste salarial para a categoria no prazo de 30 dias. A assembleia dos policiais terminou agora ha pouco e a categoria decidiu entrar em greve por termpo indeterminado a partir das 00h do dia 04 de março.

Os três dias são necessários para que as entidades comuniquem a decisão ao Ministério Público e ao Tribunal de Justiça, conforme determina a Lei.

O governo sugeriu a criação de uma comissão entre todas as forças para que em 30 dias pudesse apresentar uma proposta concreta de reajuste salarial para as categorias em questão. A justificativa é a mesma: necessidade de se adequar aos limites estabelecidos pela Lei De Responsabilidade Fiscal. Coisa que, pelos prazos da equipe econômica do governo, só acontecerá a partir de setembro. Os policiais, por sua vez, não aceitaram. O governo explicou que qualquer proposta precipitada seria “chute”. E não compromisso real.

O vice-presidente da Associação dos Delegados da Polícia civil da Paraíba, Sterferson Nogueira a Assembleia também referendou a greve geral.
Segundo o ex-deputado federal Major Fábio, a proposta do Governo excluía os inativos e os policiais reformados do benefício da PEC 300 e por isso também foi rejeitada.

Medo: PM diz que RC vai usar colete

Durante a assembleia geral dos policiais, o cabo modesto da Policia Militar informou que teve conhecimento de que o governador Ricardo Coutinho (PSB) vai começar a usar colete a prova de balas a partir de agora.

O cabo informou que o colete seria uma forma do chefe do executivo prevenir alguma manifestação desordeira da categoria

“Governador, a policia está aqui para dar proteção, na policia não tem matador, na policia só tem trabalhador”, bradou Modesto.

Passeata

Logo após a assembleia, os policiais decidiram sair em passeata até o Parque Sólon de Lucena para ratificar a greve e protestar contra o não cumprimento da PEC 300.

Fonte: Capitão Assumção

Quartéis de Itaboraí e Columbandê podem sair do Papel

Deputado Felipe Peixoto visita 3º GBM



O deputado Felipe Peixoto (PDT), esteve nesta segunda-feira, 28 de fevereiro, no 3º Grupamento de Bombeiros Militar (GBM) para um encontro com o comandante, o tenente-coronel Wladimir Rollemberg.

Durante a conversa, que contou com a presença do subsecretário da Região Metropolitana, Alexandre Felipe, o assunto foi sobre a possível implantação de um quartel no Colubandê, em uma área que pertence ao Ceasa. A ideia é criar um quartel que dê suporte ao de São Gonçalo que tem uma grande área para cobrir.

Felipe Peixoto se dispôs a ajudar e disse que no que depender dele o quartel já tem um local para ser instalado. Outro ponto abordado pelos presentes foi quanto à criação de um grupamento também em Itaboraí. Felipe Peixoto e Alexandre Felipe se disponibilizaram a ir a Itaboraí junto com o comandante para procurar alguns locais que possam servir para a instalação do quartel e diante disso garantir o quanto antes a liberação do espaço.

“Farei o possível para conseguir esses espaços para a implantação dos quarteis. Hoje em dia a maior dificuldade para os bombeiros, principalmente de São Gonçalo, é que eles fazem a cobertura de uma área muito extensa e muitas vezes demoram a chegar ao local do acidente. Com a implantação de mais esses grupamentos quem tem a ganhar é a população que terá um atendimento com mais rapidez já que terão quarteis mais próximos”, concluiu Felipe Peixoto.

Felipe aproveitou o momento para parabenizar o comandante, o tenente-coronel Rollemberg, que até recentemente comandava o 20º GBM, localizado em São Gonçalo, por sua chegada ao Grupamento.

Fonte: Felipe Peixoto



domingo, 27 de fevereiro de 2011

Bombeiros e policiais militares fazem passeata por melhores salários

Profissionais buscam coerência salarial em todo o país pela PEC 300

Cerca de 120 bombeiros e policiais militares realizaram das 10h às 12h, neste domingo (27), uma passeata em Copacabana, na zona sul do Rio de Janeiro, pela PEC 300 - a Proposta de Emenda Constitucional de número 300 para a unificação dos salários das polícias militares e bombeiros de todos os Estados com os praticados hoje pelo distrito federal.

O major da Polícia Militar Pulo Cesar Pereira da Silva, presidente da comissão de acompanhamento da PEC 300, explica que o pedido é por coerência nos salários desses trabalhadores.

- O salário dos policiais e dos bombeiros gira em torno de R$ 1.000, e nosso pleito é de R$ 3.500 para todos que exercem essas profissões no Brasil. Em Sergipe, um coronel da polícia ganha R$ 12.400 mais 60% desse salário, ou seja, cerca de R$ 19.00. No Rio, na mesma função, a pessoa ganha R$ 7.300.

Ainda segundo o major, é preciso considerar o dinheiro arrecadado no Rio nos últimos anos.

- Em 2007, o Rio arrecadou R$ 36 bilhões, em 2008, foram R$ 43 bilhões, e em 2009, R$ 44 bilhões. Com essa arrecadação não dá para acreditar que é difícil aumentar os salários desses trabalhadores.

Fonte: R7

sábado, 26 de fevereiro de 2011

Secretária Nacional de Segurança Pública quer fazer do Rio um símbolo para o Brasil

Afirmação foi feita em visita à cidade com equipe da Secretaria Estadual de Assistência Social e Direitos Humanos

Em visita ao Borel e Santa Marta, na manhã desta quarta-feira (23), a secretária nacional de Segurança Pública, Regina Miki, anunciou que as unidades de polícia pacificadora do Rio de Janeiro servirão de exemplo para todo o Brasil. Acompanhada do diretor do Departamento de Políticas, Programas e Projetos, Alberto Koppitke, do secretário estadual de Assistência Social e Direitos Humanos, Rodrigo Neves, e do subsecretário de Direitos Humanos e Territórios, Antônio Carlos Biscaia, a secretária visitou as comunidades para conhecer mais de perto o trabalho realizado nos territórios pacificados.

“Tivemos a retomada do território que foi feito pela polícia. Agora, temos que ter uma rede social com projetos muito bem estruturados para darmos continuidade à permanência do estado nesses territórios de paz. É importante que isso fique muito claro. Nós queremos fazer do Rio um símbolo para todo o país. A presidenta tem em mente assinar um pacto com os governadores dos 27 estados brasileiros para a segurança nacional e sem dúvida nenhuma, o que está acontecendo no Rio de Janeiro servirá de exemplo para o país todo”, explica a secretária.

De acordo com Rodrigo Neves, secretário estadual de Assistência Social e Direitos Humanos, a política de retomada dos territórios e de pacificação é uma política sem volta no Rio de Janeiro e a visita da secretária nacional de Segurança Pública às comunidades reforça essa integração federativa.

“Estamos fazendo um balanço do que já foi feito nos últimos dois anos. Agora, vamos planejar os próximos quatro anos e também preparar a agenda do Ministro da Justiça com o governador Sérgio Cabral para o início de março, quando eles vão conversar sobre a experiência do Rio que servirá de modelo para o pacto nacional pela segurança pública”, completa Rodrigo Neves.

Segundo Regina Miki, o acordo entre o estado e o governo federal para o desenvolvimento de projetos sociais e de cidadania incluirá não somente verba, mas também metodologias. Além dos projetos do Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (PRONASCI), já conhecidos, como Mulheres da Paz e PROTEJO, voltados para jovens de 14 a 23 anos, será implantado também nessas áreas pacificadas o Casa de Direitos.

“Esse projeto totalmente inovador, que oferecerá à população serviços de acesso à justiça e à cidadania, me foi apresentado pelo secretário Rodrigo Neves e pelo subsecretário Biscaia, e será totalmente apoiado pela Secretaria Nacional de Segurança Pública”, garante a secretária. “Damos o nome de UPP à retomada do território e cada local tem sua especificidade. Pelo Brasil afora nós implantaremos Territórios da Paz. Talvez tenhamos alguns locais no Brasil que precise sim seguir o exemplo que é feito aqui na UPP, outros, nem tanto. Nós vamos dar o remédio de acordo com a doença. Agora, a permanência no Território de Paz, esta sim, servirá de exemplo para o país como um todo. Aqui no Rio, pactuamos com a SEASDH que daremos início nas comunidades do Borel, Macacos e São Carlos.”

Ainda no Borel, durante rápida reunião com os líderes comunitários da comunidade, Regina Miki garantiu ainda que a segurança pública chegou aos territórios pacificados para ficar e ressaltou que a aproximação da polícia e do governo de forma alguma pode ser imposta.

“Estamos aqui para beber do conhecimento que vocês tem da comunidade. O que importa agora é que o sonho seja desenvolvido em conjunto entre a comunidade e as esferas municipal, estadual e federal. Queremos realizar aqui um case de sucesso para levarmos para todo o Brasil”, conclui a secretária que ao sair do Borel visitou ainda a comunidade do Santa Marta, onde teve a oportunidade de conhecer o projeto coordenado pela Major Priscila, que está à frente da unidade pacificadora desde a sua inauguração, em dezembro de 2008.

Fonte: Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Criança é resgatada de canal após 15 minutos submersa



Os bombeiros resgataram na tarde desta quinta-feira uma criança de 1 ano de 2 meses, que ficou submersa cerca de 15 minutos, após o carro em que ela estava com a mãe e um casal de amigos cair no canal da Avenida Vereador Alceu de Carvalho, no Recreio, na Zona Oeste.

O carro onde estava a criança tentou fazer uma ultrapassagem na avenida, desvio de um outro carro e acabou caindo no canal.

A criança está internada no Hospital Miguel Couto em estado grave. Os familiares estão na 42 ª DP (Recreio) para prestar esclarecimentos.

Fonte: Extra

Bolsa Formação é regulamentado e vai beneficiar profissionais da segurança

Brasília - A presidente Dilma Rousseff publicou nesta quinta-feira um decreto no Diário Oficial da União regulamentando o Bolsa Formação. O projeto faz parte do Programa Nacional de Segurança Pública e Cidadania (Pronasci) e é voltado para a qualificação de profissionais da área de segurança.

Para participar os policias, agentes penitenciários e guardas municipais, entre outras categorias, devem receber remuneração bruta mensal de até R$ 1.700 e não ter sido condenado penalmente nem administrativamente de forma grave nos últimos cinco anos. Para receber a bolsa, eles deverão frequentar anualmente os cursos de reciclagem e qualificação propostos pelo Ministério da Justiça.

A bolsa terá o valor de R$ 430. Em um primeiro momento, os estados e municípios devem aderir ao Pronasci para que seus profissionais de segurança podem concorrer à bolsa. Em seguida, são os próprios servidores que deverão se cadastrar pela Internet no sistema.

Os estados e municípios que aderirem ao programa deverão se comprometer, entre outros, com a criação de postos de polícia comunitária e com a adequação da jornada de trabalho destes servidores em 12h, seguidas de 36h de descanso.

O Bolsa Formação é uma das medidas apresentadas pela presidenta Dilma Rousseff para melhorar a qualidade de efetivos policiais e diminuir a corrupção no setor em todo o Brasil.

Fonte: O DIA

Em Tempo, mais uma vez os veículos de comunicação não transmitem a notícia corretamente e está claramente tendenciosa.

Leiam o Decreto completo no Diário Oficial da União

Câmara aprova MP que facilita realização das Olimpíadas de 2016

O Plenário aprovou nesta quarta-feira, em votação simbólicaVotação em que não há registro individual de votos. O presidente da sessão pede aos parlamentares favoráveis à matéria que permaneçam como se encontram, cabendo aos contrários manifestarem-se. Expediente geralmente usado para votação de projetos sobre os quais há acordo. , a Medida Provisória 503/10, que ratifica o protocolo de criação da Autoridade Pública Olímpica (APO), destinada a coordenar as ações governamentais para a realização dos Jogos Olímpicos de 2016, na cidade do Rio de Janeiro. A MP, aprovada com o texto do relator Daniel Almeida (PCdoB-BA), perde a vigência em 1º de março e ainda precisa ser analisada pelo Senado.

A votação foi possível graças a um acordo de lideranças conduzido pelo presidente Marco Maia. Os líderes decidiram transferir para a MP 510/10 a análise de um regime de licitação específico destinado a acelerar as obras necessárias à realização das Olimpíadas e de outros eventos esportivos.

As novas regras estavam em uma emenda do deputado licenciado Magela (PT-DF) e serviriam também para obras e serviços relacionados aos Jogos Mundiais Militares de 2011 (Rio 2011) e à infraestrutura dos aeroportos para a Copa do Mundo de 2014.

A APO terá sede na cidade do Rio de Janeiro e funcionará até 31 de dezembro de 2018. Essa data poderá ser prorrogada por dois anos pelo Conselho Público Olímpico, a instância máxima de decisão da APO, composta por representantes dos chefes dos executivos federal, estadual e municipal.

Pessoal
O novo protocolo de criação da APO enviado pelo Executivo substitui o que constava originalmente da MP e diminui, de 484 para 181, o número de cargos em comissão criados para a estrutura do órgão. As remunerações continuam nos mesmos valores, de R$ 1 mil a R$ 22 mil.

A seleção de pessoal poderá ser temporária e feita somente com processos simplificados, com contratos de duração de até três anos, prorrogáveis até o ano de encerramento das atividades da APO. O órgão também poderá requisitar servidores até o máximo de 20% do total de contratados.

No início de cada ano, a diretoria-executiva da APO divulgará, na internet, os nomes dos ocupantes dos cargos e funções criados para o órgão.

Quem não exercer cargo em comissão receberá valores fixados para atribuições semelhantes no Executivo federal, ou o valor de mercado, se não houver referência na administração pública. O presidente da APO será indicado e nomeado pela presidente da República, com aprovação do Senado, e o seu mandato será de quatro anos, permitida a recondução.

Contratação integrada
Uma das regras a ser discutida na MP 510/10 permite o uso da chamada contratação integrada se houver justificativa técnica e econômica. Nesse modelo, o vencedor realiza todas as etapas de um empreendimento, desde o projeto executivo até a execução de testes finais, passando pelo fornecimento de bens e realização de obras e serviços previstos no edital.

A MP 510/10 será relatada pelo deputado Hugo Leal (PSC-RJ) e perderá a vigência em 7 de abril. Ela exige das empresas reunidas em consórcio solidariedade no pagamento dos tributos federais relacionados ao empreendimento.

Projetos com risco
O Conselho Público Olímpico deverá se reunir a cada seis meses e suas decisões precisarão ser unânimes. Além de aprovar a proposta de orçamento da APO, uma de suas principais atribuições será decidir se um dos consorciados assumirá a responsabilidade por projetos com elevado risco de não serem entregues a tempo por outro governo.

Dessa forma, obras a cargo do município, por exemplo, poderão ser tocadas pela União para que o cronograma não sofra atrasos irrecuperáveis que prejudiquem os Jogos.

Antes dessa decisão, porém, caberá à direção executiva da APO indicar quais obras estão com esse risco e indicar soluções.

Caso a União assuma determinada obra, poderá reter parcelas da transferência constitucional de impostos se o estado ou a prefeitura do Rio não pagar pela obra que era de sua responsabilidade. Isso também poderá ser feito se algum consorciado não quitar as despesas de funcionamento da APO previstas no contrato de rateio.

Fonte: Agencia Câmara

Plenário aprova a MP de criação da Autoridade Pública Olímpica

O Plenário aprovou por consenso, há pouco, o texto do deputado Daniel Almeida (PCdoB-BA) para a Medida Provisória 503/10, que ratifica o protocolo de criação da Autoridade Pública Olímpica (APO). A APO coordenará as ações governamentais para a realização dos Jogos Olímpicos de 2016, na cidade do Rio de Janeiro. Em seguida, a Ordem do DiaFase da sessão plenária destinada à discussão e à votação das propostas. Corresponde, também, à relação de assuntos a serem tratados em uma reunião legislativa. foi encerrada.

A MP perde a vigência em 1º de março e ainda precisa ser analisada pelo Senado.

Fonte: Agência Câmara

PMs sem bolsa-formação: MPF cobra explicações da Secretaria Executiva do Pronasci

Graças a iniciativa da Associação Pernambucana dos Cabos e Soldados (ACS – PE) e o coordenador Renílson Bezerra, o Ministério Público Federal (através da procuradora da República Carolina de Gusmão Furtado) acaba de determinar que a Secretaria – Executiva do PRONASCI se manifeste sobre a representação da ACS – PE e explique todos os requisitos exigidos para a inclusão dos militares estaduais no bolsa formação. O pedido da ACS-PE foi transformado em processo.

A procuradora tomou tal decisão, após avaliar o requerimento formulado pela ACS – PE. A entidade solicita a intervenção do Ministério Público Federal no sentido de permitir a participação de policiais e bombeiros militares que estão respondendo a inquéritos administrativos, sindicâncias, punições administrativa graves, e inquéritos policiais militares, em cursos de capacitação e, consequentemente, na percepção do bolsa formação.

Fonte: Blog do Lomeu

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Movimentação PEC 300

  • PEC-00300/2008 - Altera a redação do § 9º do art. 144 da Constituição Federal.
- 22/02/2011 Apresentação do Requerimento de Inclusão na Ordem do Dia n. 478/2011, pelo Deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), que: "Requer a inclusão na Ordem do Dia da PEC nº 300/2008, que estabelece que a remuneração dos Policiais Militares dos Estados não poderá ser inferior à da Polícia Militar do Distrito Federal, aplicando-se também aos integrantes do Corpo de Bombeiros Militar e aos inativos".
- 22/02/2011 Apresentação do Requerimento n. 491/2011, pelo Deputado Sandro Alex (PPS-PR), que: " "Requer inclusão na Ordem do Dia da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) n.º 300/2008 que "Altera a redação do § 9º, do artigo 144 da Constituição Federal." ".

Secretária nacional de Segurança Pública conhece projeto das UPPs

A Secretária Nacional de Segurança Pública, Regina Miki, e o secretário adjunto, Alberto Koppitke, acompanhados do secretário estadual de Assistência Social e Direitos Humanos, Rodrigo Neves, assistem, nessa manhã de quarta-feira (23/2), à apresentação do comandante Bruno Amaral sobre o trabalho realizado pela Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Chácara do Céu, no Borel, na Zona Norte.

Durante a visita, a equipe do Ministério da Justiça vai conhecer as propostas das UPPs para definir, em parceria com a secretaria, quais comunidades pacificadas receberão apoio federal para desenvolver projetos sociais e de cidadania, dentro do Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci). Lideranças locais também participarão da reunião. Em seguida, a comitiva visitará a comunidade Santa Marta, em Botafogo.

Na noite de terça-feira, a secretária Regina Miki se reuniu com a chefe da Polícia Civil, Martha Rocha, para debater planos de investimentos na formação e qualificação dos policiais do estado.

Fonte: JB

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Visita de Dilma é palco para luta da PEC

Policiais montaram barracas para chamar a atenção da presidente Dilma Rousseff que chega a Sergipe para participar do Fórum de Governadores
21/02/2011 - 12:53

Policiais se mobilizaram para chamar a atenção da presidente da República (Fotos: Portal Infonet)
Na manhã desta segunda-feira, 21, policiais montaram barracas no acesso ao município de Barra dos Coqueiros para chamar a atenção da presidente Dilma Rousseff para a necessidade da aprovação da PEC 300. A presidente desembarca em Sergipe para participar do Fórum dos Governadores.

“Da mesma forma que existe o piso nacional dos professores, a Segurança Pública também precisa definir o piso mínimo para a categoria. A PEC 446/300 não fala de valores, mas destaca que exista um valor mínimo a ser pago para civis, militares e bombeiros”, ressalta o presidente do Sindicato dos Policiais Civis, Antônio Moraes que cobra a implantação de uma lei ordinária.

"A Segurança Pública não tem uma lei ordinária nacional", diz Moraes
“A segurança pública não tem uma lei ordinária nacional. A defensoria pública, Ministério Público e Judiciário têm leis, mas para a polícia não existe nem a padronização de procedimentos. Um exemplo é que em São Paulo existem 14 cargos para a Polícia Civil, enquanto em Sergipe existem quatro cargos. Falta o alicerce da profissão, não existe uma organização básica”, critica.

O deputado federal Mendonça Prado (DEM/SE) esclarece que a primeira parte da votação da PEC já foi cumprida e que requereu ao presidente da Câmara dos Deputados a inclusão na pauta do plenário. “Existe uma resistência do Governo em não querer ampliar o investimento em segurança pública. O Governo está trabalhando para que a PEC não seja votada, isso por falta de interesse em investir

"Existe uma resistência do Governo em não querer ampliar o investimento em segurança pública", Mendonça
verdadeiramente na segurança pública da população e dos policiais”, menciona Mendonça, que salienta o descaso com relação a disparidade dos salários dos policiais.

“No Rio de Janeiro o policial militar recebe R$900 e no Rio Grande do Sul é R$800, mostrando que não existe uma política de incentivo para a Segurança Pública, onde o profissional não é valorizado. É importante notar que se Sergipe pode pagar um salário um pouco melhor, porque os outros estados não podem”, questiona o deputado federal que é a favor da criação de um fundo destinado ao pagamento de salário dos profissionais da Segurança Pública.

O gestor da Associação Beneficente de Servidores Militares de Sergipe (Absmse), sargento Jorge Vieira lembrou que a melhoria salarial dos militares em Sergipe se deve a luta da categoria. “Hoje

"Ainda não temos a PEC 300", lembra Vieira
nós temos um salário melhor por conta da luta que a categoria se mobilizou, mas isso não significa que aqui já temos a PEC, quem pensa assim desconhece o que realmente prevê a PEC 446/300”, ressalta Vieira, que destaca a importância da PEC como instrumento para igualar o piso nacional das policias e o salário das pensionistas.

“Hoje se um policial morre a família fica desamparada. Isso é inadmissível. Queremos corrigir essa desigualdade entre as policias, onde temos a polícia rica e a polícia pobre, ou seja, uns que recebem melhor e outros não”, explica Vieira.

PEC 446/300

De origem do Senado Federal, a PEC 446/09 já passou pela análise dos senadores, todavia precisa ser aprovada pelo plenário da Câmara dos Deputados. Caso não haja nenhuma alteração no texto original do Senado, a proposta será encaminhada a sanção presidencial. Por estar apensada à PEC 446/09, a PEC 300/08 obrigatoriamente será analisa em conjunto, o que proporcionará maior rapidez na sua tramitação. Uma lei federal irá definir o valor do piso salarial, disciplinando também um fundo contábil constituído para esse fim.

Fonte: Infonet

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Movimentações PEC 300 no Congresso Federal

  • PEC-00300/2008 - Altera a redação do § 9º do art. 144 da Constituição Federal.
- 17/02/2011 Apresentação do Requerimento de Inclusão na Ordem do Dia n. 428/2011, pelo Deputado Otoniel Lima (PRB-SP), que: "Requer a inclusão na ordem do dia da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 300/2008".

Movimentações PEC 300 no Congresso

  • PEC-00300/2008 - Altera a redação do § 9º do art. 144 da Constituição Federal.
- 16/02/2011 Indeferido o pedido de desarquivamento desta proposição constante do REQ-132/2011por não se tratar(em) de matéria(s) sujeita(s) ao arquivamento previsto no artigo 105 do RICD.

Militares impedidos de sair do Quartel



O início da noite desta quarta-feira, (16), em Campina Grande, foi marcado por muito protesto e confusão. É que familiares dos militares revoltados pelo não cumprimento da PEC 300 pelo Governador Ricardo Coutinho (PSB), interditaram a rua em frente ao II Batalhão da Polícia Militar, evitando que os policiais pudessem sair para garantir a segurança no jogo entre São Paulo e Treze, realizado hoje no estádio, O Amigão.

Mesmo com um contingente inferior ao programado para o jogo, o comandante da tropa, Major João da Mata assegurou que 100 homens estiveram presentes e garantiram que o jogo acontecesse sem maiores transtornos. Segundo informações que chegaram até o comandante da Polícia Militar só houve o registro de um tiro efetuado por um policial civil, mas o disparo foi para cima.

Mostrando coragem e determinação, as esposas e filhos dos militares fecharam o acesso de saída das viaturas e acabaram por aquartelar a Tropa. Elas se reuniram em frente ao Batalhão e munidas de faixas, cartazes, garrafas pet, gritavam “Que vergonha Governador a PEC 300 não é nenhum favor” e quando o Major João da Mata tentava dialogar para que elas se retirassem, respondiam em coro “Daqui eu não saio, daqui ninguém me tira”. Elas permaneceram por mais de três horas e foram embora após o término do jogo do Treze.

O Major Fábio esteve presente para acalmar os ânimos e foi ovacionado pelos militares e seus familiares na sua chegada que gritavam seu nome ininterruptamente. O Major assegurou a Tropa que na próxima sexta-feira, (17), haverá uma Assembleia Geral Extraordinária onde ficará decidido se haverá ou não paralisação dos policiais durante o carnaval.

O tenente Rolim, que lidera o movimento, disse que mais de 300 PMs permaneceram no interior do quartel como forma de protestar contra o Governo do Estado e não foram ao campo como estava programado anteriormente. No pátio do quartel várias viaturas e motos permaneceram paradas, enquanto os policiais discutiam com o Major João da Mata para tomar a decisão correta.

Por volta das 23h30, horário do término do jogo do Treze, as esposas e filhos dos militares foram embora e desbloquearam a saída das viaturas para que os policiais pudessem retornar às ruas e garantir a segurança da população.

Mesmo com o clima tenso, o Major João da Mata conduziu sua tropa com maestria e evitou maiores transtornos. No entanto, toda a corporação se mostrou insatisfeita pelo não pagamento do rejuste dos militares e só resolveram ceder após a chegada do Major Fábio.



Fonte: PB Agora

Movimentações PEC 300 no Congresso

  • PEC-00300/2008 - Altera a redação do § 9º do art. 144 da Constituição Federal.
- 15/02/2011 Apresentação do Requerimento de Inclusão na Ordem do Dia n. 362/2011, pela Deputada Nilda Gondim (PMDB-PB), que: "Requer inclusão da Proposta de Emenda à Constituição nº 300, de 2008 na Ordem do Dia do Plenário".
- 15/02/2011 Apresentação do Requerimento n. 369/2011, pelo Deputado Dr. Ubiali (PSB-SP), que: ""Requer inclusão na Ordem do Dia da Proposta de Emenda à Constituição nº 300/2008"".

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

PEC 300: representantes paulistas vão invadir Brasília

No próximo dia 22 uma grande caravana de São Paulo estará em Brasília para pressionar o presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (RS), para que ele coloque para votação a PEC 300, que cria um piso nacional para os Policiais e Bombeiros Militares.
A PEC 300 já deveria ter sido votada antes das eleições de outubro passado, mas uma manobra do ex-presidente da Casa, Michel Temer, impediu que a matéria fosse deliberada. O mesmo Michel usou a PEC 300 para zerar as votações de matérias de interesse do executivo, frustrando a pretensão da Família Policial.
Infelizmente os interesses daquele parlamentar, hoje na Vice Presidência da República, não eram os anseios da sofrida classe de Policiais e Bombeiros Militares.
Nossa esperança é que haja comprometimento dos atuais deputados com a sociedade, sedenta e carente de um aparato de segurança público motivado e atuante, não que não o sejamos, mas estamos divididos em trabalho oficial e bico para manter as nossas famílias.

Fonte: Blog do Ricardo Jacob

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Movimentação PEC 300 no Congresso

  • PEC-00300/2008 - Altera a redação do § 9º do art. 144 da Constituição Federal.
- 08/02/2011 Apresentação do Requerimento de Inclusão na Ordem do Dia n. 207/2011, pela Deputada Andreia Zito (PSDB-RJ), que: "Requer a inclusão na Ordem do Dia da PEC nº 300/2008, que estabelece que a remuneração dos Policiais Militares dos estados não poderá ser inferior à da Polícia Militar do Distrito Federal, aplicando-se também aos integrantes do Corpo de Bombeiros Militar e aos inativos".
- 09/02/2011 Apresentação do Requerimento de Inclusão na Ordem do Dia n. 290/2011, pelo Deputado Romero Rodrigues (PSDB-PB), que: "Requer a inclusão na Ordem do Dia da PEC nº 300/2008, que estabelece que a remuneração dos Policiais Militares dos estados não poderá ser inferior à da Polícia Militar do Distrito Federal, aplicando-se também aos integrantes do Corpo de Bombeiros Militar e aos inativos. ".

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Movimentação da PEC 300 no Congresso


  • PEC-00300/2008 - Altera a redação do § 9º do art. 144 da Constituição Federal.
- 08/02/2011 Apresentação do Requerimento de Inclusão na Ordem do Dia n. 115/2011, pelo Deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), que: "Requer inclusão da Proposta de Emenda à Constituição de número 300/2008 na Ordem do Dia do Plenário".

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Movimentações PEC 300 no Congresso

  • PEC-00300/2008 - Altera a redação do § 9º do art. 144 da Constituição Federal.
- 04/02/2011 Apresentação do Requerimento n. 72/2011, pelo Deputado Átila Lins (PMDB-AM), que: "Requer inclusão na Ordem do Dia da Proposta de Emenda à Constituição nº 300/2008, que "Altera a redação do § 9º do art. 144 da Constituição Federal", para estabelecer que a remuneração dos Policiais Militares dos estados não poderá ser inferior à da Polícia Militar do Distrito Federal, aplicando-se também aos integrantes do Corpo de Bombeiros Militar e aos inativos".

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Calendário Pagamento NIS - FEVEREIRO 2011

FINAL 1 - DIA 15/02

FINAL 2 - DIA 16/02

FINAL 3 - DIA 17/02

FINAL 4 - DIA 18/02

FINAL 5 - DIA 21/02

FINAL 6 - DIA 22/02

FINAL 7 - DIA 23/02

FINAL 8 - DIA 24/02

FINAL 9 - DIA 25/02

FINAL 0 - DIA 28/02

Fonte: MJ

"SEM LUTA NÃO HÁ VITÓRIA!!!"

MANIFESTAÇÃO DE APOIO AO CAPITÃO BM LAURO BOTTO - DIA DA LIBERDADE.
O Capitão Bombeiro Militar Lauro Botto será posto em liberdade no dia 13 FEV 2011, às 08:00 horas, quando deixará o Quartel General do Corpo de Bombeiros Militar, situado na Praça da República, número 45 (em frente ao Campo de Santana) - Centro - Rio de Janeiro - RJ.
Convidamos a sociedade, a mídia, os Bombeiros Militares e os Policiais Militares ativos, inativos, pensionistas e familiares para recepcionarmos o Capitão BM Lauro Botto.
A concentração será na calçada em frente ao QG do CBMERJ, a partir das 07:30 horas.
De folga, em trajes civis e desarmados.
JUNTOS SOMOS FORTES!
PAULO RICARDO PAÚL
PROFESSOR E CORONEL
Ex-CORREGEDOR INTERNO