quinta-feira, 14 de abril de 2011

Manifesto da Dignidade

MANIFESTO DA DIGNIDADE!
Primeiramente, gostaríamos de esclarecer que este manifesto não tem nenhuma relação com a postura dos comandantes das unidades operacionais! Na verdade, esta é uma reação frontal a política do atual governo que insiste em desrespeitar, desvalorizar e desmerecer o trabalho dos bombeiros. Diante disso, nós, os guarda vidas decidimos anunciar a paralisação das nossas atividades a partir da quinta feira, dia 21/04/2011(feriado Tiradentes e da semana santa). A princípio, temos quatro reinvindicações e lutaremos implacavelmente pelos nossos propósitos! Vale lembrar, que este manifesto já foi encaminhado aos Deputados estaduais, à mídia (revistas, jornais e sites), ao COI, e aos Presidentes da Câmara e do Senado Federal, Deputado Marco Maia e Senador José Sarney, respectivamente.
A primeira reinvindicação é pela redução do número de parcelas do aumento proposto pelo governo: de 48 parcelas para 12!

A segunda reinvindicação é pela equiparação da gratificação dos guarda vidas ao Bope e Core, unidades especializadas da PMERJ e PCERJ, respectivamente. Os guarda vidas também fazem parte da elite do estado, haja vista o FATO de nenhuma outra tropa ser capaz de realizar o nobre e árduo serviço de salvamento no mar. Em casos de emergências policiais, o estado pode solicitar a Força Nacional, o Exército, a Marinha e a Aeronáutica; mas e os Guarda Vidas, quem substituirá?

A terceira reinvindicação é o auxílio transporte! O atual governo, além de pagar o segundo pior salário do Brasil (R$950,00), expõe seus funcionários a humilhante necessidade de pedir carona dentro dos ônibus, trens e metrôs! Por isso, contamos com a compreensão das autoridades para concessão imediata deste direito básico de todo e qualquer trabalhador!

A quarta reinvindicação é por melhores condições de trabalho! Os Guarda Vidas do RJ estão abandonados pelo Estado! Não temos materiais apropriados para proteção individual; postos de salvamento adequados; nadadeiras, rescuetubes e pocketmasks suficientes; viaturas para ativação e desativação do serviço (micro-ônibus decente); não temos jet-skis, quadriciclos, nem binóculos. Os Guarda Vidas do interior estão sem infraestrutura básica, sem um lugar apropriado para trabalhar, fazer suas necessidades e se alimentar. A escala (12h por 36h) é extremamente nociva à saúde, pois não possibilita, em hipótese alguma, a recuperação plena (física e emocional) desses profissionais. A exposição prolongada à radiação solar tem causado diversos problemas dermatológicos, inclusive câncer de pele. Além disso, temos lesões ortopédicas, oftálmicas e auditivas frequentes ocasionando uma redução considerável na vida útil desses profissionais! Anualmente, realizamos milhares de salvamentos e precisamos de uma estrutura mínima de trabalho para que possamos oferecer um serviço ainda melhor à população e aos turistas que visitarem nosso estado!
Acreditamos, sinceramente, que o governo pode e deve negociar as nossas reivindicações, pois o que estamos pedindo é um tratamento igualitário e respeitoso por parte do Governador. Estamos desesperados, passando necessidades e apesar do amor à profissão não aguentamos mais! Por isso, esperamos a sensibilização do governo diante das reivindicações, a fim de impedir que o feriado de Tiradentes e da semana santa seja marcado por uma verdadeira tragédia de repercussão nacional e internacional (copa de 2014 e olimpíadas de 2016), haja vista o número expressivo de salvamentos que realizamos nos finais de semana e feriados (em torno de 300 registrados) na orla carioca. Esperamos o pronunciamento das autoridades e garantimos que a retaliação contra qualquer militar, por parte dos comandantes, acarretará na manutenção da paralisação! Chega de mendigar, queremos dignidade!
Guarda Vidas do Rio de Janeiro.