terça-feira, 22 de novembro de 2011

Proposta do governo do Rio de Janeiro beneficia policiais civis

Subsecretário anunciou que o governo do estado apresentará uma proposta para a implantação do projeto de reenquadramento de cargos e salários da Polícia Civil Ao participar nesta segunda-feira de uma reunião da  Comissão de Segurança Pública e Assuntos de Polícia da Assembleia Legislativa, o subsecretário de Gestão Estratégica da Secretaria de Estado de Segurança, Hélio Pacheco Leão,  anunciou que o governo do estado apresentará uma proposta para a implantação do projeto de reenquadramento de cargos e salários da Polícia Civil, reivindicado pela corporação, quinta-feira.  Presidente da comissão, o deputado Zaqueu Teixeira (PT) lembrou que o colegiado mediará esse debate.  “O resultado do que for pactuado virá para essa Casa para ser votado”, apontou o parlamentar. Leão explicou que as reivindicações da classe, como a implantação do projeto de reenquadramento e a antecipação das parcelas do reajuste que foi concedido pelo estado, foram analisadas pela Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag). “Parte das reivindicações da corporação será atendida. Na próxima quinta, teremos uma reunião com os técnicos da Seplag e buscaremos mais informações. A diminuição do tempo na progressão das classes da Polícia Civil estará em debate. Por exemplo, as seis classes da carreira de Inspetor e de Oficial de Cartório serão reduzidas para quatro, como a categoria está querendo, ou seja, o policial entra na corporação e com 15, 20 anos de carreira chega ao topo. Isso é estimulante para quem ingressa na Polícia”, avaliou o subsecretário. Leão disse ainda que as proposta da categoria estão sendo analisadas, mas que, no momento, não poderão ser atendidas em sua totalidade, pois causariam um impacto de R$ 686 milhões nas contas do governo. Zaqueu Teixeira informou também que apresentou emenda ao orçamento de 2012, para garantir que se faça o plano de reenquadramento de cargos e salários.  “Essa emenda permite ao estado, dentro do remanejamento, fazer a redistribuição para o novo plano dessas carreiras. Então, já apresentamos o texto e, com isso, pretendo propiciar que esse reenquadramento se faça, porque já existe previsão no orçamento e no Plano Plurianual (PPA). É uma condição para que possamos, efetivamente, colocar os policiais em uma nova carreira e valorizar a categoria”, explicouo deputado. Inspetor de Polícia e diretor financeiro do Sindicato dos Policiais Civis do Estado (Sindpol), Francisco Chao afirmou que a instituição está trabalhando com um terço da sua capacidade.  “De 22.259 cargos na Polícia, temos ocupados somente 9.320. Houve uma evasão de 80% em dez anos. Não temos como competir com a Polícia Federal em termos salariais, e isso fez com que o profissional que ingressa na corporação hoje veja a Civil como transitória. A carreira não tem estímulo e remunera mal”, ponderou Chao.  Os deputados Flávio Bolsonaro (PP) e Paulo Ramos (PDT) também participaram da audiência.  Ficha Limpa - A Alerj votará hoje, em segunda discussão, a proposta de emenda constitucionalque veda a nomeação para cargos públicos de pessoas enquadradas no conceito de inelegibilidade da legislação federal.  Fonte: O Fluminense