sexta-feira, 22 de março de 2013

Samuel cobra empenho do governo federal para a Segurança Pública


O governo federal não quer discutir a PEC 300 e nem o Fundo Nacional de Segurança Pública, mas se prende a paliativos. A avaliação é do deputado estadual Capitão Samuel (PSL), nessa terça-feira (19), em Brasília (DF), no Plenário da Câmara dos Deputados, durante a Comissão Geral (sessão plenária de debates) para discutir projetos relacionados à segurança pública e a violência no trânsito. As propostas consideradas prioritárias podem começar ser votadas já nesta quarta-feira (20), em sessão extraordinária.
Ao iniciar seu breve discurso, Samuel disse que ficou muito triste com as palavras proferidas pelo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. Esperei que o ministro fosse falar de uma forma global do tema, que assumisse que o problema da Segurança Pública no País fosse a fala de investimento em todos os Estados. E não dizer que ia resolver os problemas das fronteiras.
Em seguida, Samuel argumentou que que existe uma PEC na Câmara dos Deputados e outra no Senado Federal que defende a criação do Fundo Nacional de Segurança Pública. Nenhuma categoria vai avançar sem dinheiro, sem tecnologia. De 2003 a 2010 só se via aumentar os investimentos em Segurança Pública. Não sei por que, com a presidente Dilma Rousseff (PT), houve uma redução de 21% e o crime findou avançando.
Por fim, Samuel reconheceu que o governo de Sergipe tentou melhorar os salários das categorias, cujas mobilizações ganharam repercussão nacional. Hoje o governo tem dificuldades financeiras e estão tentando realizar um concurso. O governo federal tem que abraçar a causa da Segurança Pública que um problema nacional. Tem que se empenhar em garantir os investimentos fruto do suor do povo brasileiro. Infelizmente o governo não quer tratar pontos importantes e faz apenas ações paliativas. Enquanto isso, muitos brasileiros estão morrendo, contando apenas com a proteção divina e a ação de alguns abnegados.

Fonte: Plenário